Home / Noroeste Fluminense / Homem investigado por estelionato em rede de supermercados na Região dos Lagos é preso em Campos, no RJ

Homem investigado por estelionato em rede de supermercados na Região dos Lagos é preso em Campos, no RJ


Ação foi comandada por agentes da delegacia de Cabo Frio. Polícia ainda busca dono do empreendimento, que seria o principal responsável pelo esquema de fraude. A movimentação financeira é avaliada em R$ 1 milhão. Homem investigado por estelionato em rede de supermercados na Região dos Lagos é preso em Campos, no RJ
Reprodução
Um homem, de 37 anos, foi preso em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, por equipes da delegacia de Cabo Frio (126ª DP), na Região dos Lagos, no fim da tarde de terça-feira (15). Ele era procurado pelos crimes de estelionato e associação criminosa.
O suspeito, que era gerente de uma rede de supermercados na Região dos Lagos, é investigado por participar de um esquema de fraudes nos estabelecimentos. A movimentação financeira é avaliada em R$ 1 milhão, de acordo com a polícia.
Contra ele, havia um mandado de prisão preventiva.
Ainda de acordo com a polícia, o suspeito chegou a abrir outros dois estabelecimentos em Campos e já tentou se mudar para a Itália.
O homem foi encaminhado para a unidade prisional de Benfica.
Entenda o caso
De acordo com informações da Polícia Civil, o dono da rede de supermercados é acusado de ter colocado empresas que comandava em nomes de outras pessoas, os chamados laranjas. O suspeito detido em Campos nesta terça seria uma dessas pessoas.
Os negócios do dono da rede de supermercados tiveram falência decretada em Minas Gerais, o que impedia o homem de estar à frente de qualquer empreendimento, sendo passível de penhora de bens.
Os fornecedores dos mercados vendiam produtos diretamente para esses estabelecimentos em nome de laranjas. Mas os pontos de venda ficaram abertos por pouco tempo, apenas para abastecer o estoque, e foram fechados de repente.
As lojas funcionaram de fevereiro a agosto de 2019.
A mercadoria foi desviada para as unidades da rede de supermercados, de acordo com as investigações.
O prejuízo aos fornecedores por mercadorias que não foram pagas chega a R$ 1 milhão, de acordo com a polícia.
A Polícia Civil continua em busca do dono da rede de mercados.

Fonte: G1 (Noroeste Fluminense)

Origem.