Home / Região dos Lagos / Servidores da Educação fazem manifestação contra escalonamento de salários em Cabo Frio, no RJ

Servidores da Educação fazem manifestação contra escalonamento de salários em Cabo Frio, no RJ

Prefeitura diz que situação se deve a queda na arrecadação devido à pandemia. Categoria também reclama que profissionais demitidos em abril não conseguem retirar o auxílio emergencial por alegação de vínculo empregatício. Professores da rede municipal de Cabo Frio, RJ, vão às ruas em manifestação
Servidores da Educação de Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio, fizeram uma manifestação na manhã desta terça-feira (15) na Praça Porto Rocha, no Centro, para protestar contra atrasos e escalonamentos de salários.
A categoria também reclama que os funcionários demitidos em abril não estão conseguindo retirar o auxílio emergencial de R$ 600 fornecido pelo Governo Federal.
Segundo o Sindicato dos Profissionais da Educação da Região dos Lagos, o auxílio é negado pela existência de um vínculo empregatício. A categoria afirma, ainda, que não tem qualquer direcionamento da Prefeitura de Cabo Frio para resolver o problema.
Em nota, a Secretaria Municipal de Educação (Seme) informou que os salários dos servidores que recebem por meio do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) foram quitados no dia 4 deste mês e que o restante da folha de pagamento será paga de acordo com a entrada de recursos nos cofres públicos.
A justificativa seria a queda na arrecadação ocasionada pela pandemia do novo coronavírus, segundo a Seme.
Quanto a desvinculação empregatícia dos servidores, a Seme informou que os 2.376 profissionais com contratos rescindidos por conta da pandemia já tiveram o vínculo empregatício suspenso e que não há pendências funcionais com a gestão municipal referentes ao ano de 2020.
Segundo a secretaria, os ex-servidores que atuaram na pasta até o ano de 2019 e que ainda possuem pendências funcionais devem preencher o formulário cadastral, disponível no site da Prefeitura, para dar entrada na desvinculação empregatícia.
No formulário, são solicitados dados pessoais como número e série da Carteira de Trabalho, RG, CPF, além de e-mail e data de desligamento do trabalho.

Fonte: G1 (Região dos Lagos)

Origem.