Home / Noroeste Fluminense / Nível dos rios baixa no Noroeste do RJ e moradores contabilizam perdas

Nível dos rios baixa no Noroeste do RJ e moradores contabilizam perdas


Algumas famílias puderam voltar para casa e o número de desabrigados e desalojados diminuiu de 15 mil para cerca de 13 mil. Em Itaperuna, gestante e mãe de criança de 3 anos perdeu tudo. Ruas estão cheias de lama e moradores contabilizam prejuízos
Cléber Rodrigues/Inter TV
Com o nível dos rios baixando, aos poucos as cidades do Noroeste Fluminense afetadas pelas inundações do fim de semana começam a retomar a rotina e os moradores contabilizam as perdas nesta terça-feira (28).
O município de Varre-Sai passou a integrar a lista das cidades prejudicadas pelo transbordo de quatro rios. Casas foram inundadas na Comunidade da Prata. Houve deslizamento de encostas.
Ao todo, são nove municípios atingidos. Algumas pessoas puderam voltar para casa e o número de desabrigados e desalojados, que nesta segunda-feira (27) chegou a 15 mil, diminuiu para 13.328 em toda a região.
Itaperuna
Dona de casa grávida de oito meses e com filho de 3 anos perdeu tudo em Itaperuna
Cléber Rodrigues/Inter TV
Em Itaperuna, uma dos mais afetados pelas inundações, 113 pessoas, sendo 34 crianças e adolescentes, ainda estão desabrigadas, e mais 2.040 estão desalojadas. Quem voltou para casa contabiliza os prejuízos, como é o caso da dona de casa Mariana Garcia, que aos oito meses de gestação perdeu tudo.
“Eu não tenho mais nada. Perdi minhas coisas de casa e da minha filha de 3 anos. É difícil, pois sou eu sozinha e minha irmã. Eu estou grávida, quase ganhando [o bebê]. Perdi todos os meus documentos… É muito triste perder tudo assim”, lamenta Mariana.
A enfermeira Janine Viera Valentim trabalha na Unidade Ambulatorial Pediátrica Mariza Mozer, que fica na Rua 10 de Maio, no Centro, e conta que os prejuízos foram grandes. Houve perda de documentações, móveis e outros materiais.
“Fomos pegos de surpresa com essa inundação. Pedimos a compreensão dos pacientes, pois vai demorar para limpar. O funcionamento só deve voltar ao normal na segunda-feira”, diz a enfermeira.
Duas pessoas morrem e 15 mil ficam desabrigadas no norte e noroeste do Rio de Janeiro
O nível do rio Muriaé baixou e está em 4,47 metros nesta terça-feira. Apenas um pouco abaixo da cota de transbordo, que é de 4,50 metros, mas o suficiente para permitir que os moradores comecem a retomar a rotina. Nas ruas do Centro, por onde só era possível passar de bote, já dá para caminhar a pé ou trafegar de carro.
O município recebe doações de todos os tipos na sede da Defesa Civil, que fica na rua Alcides Augusto Magalhães, nº 470. Os itens mais necessários são água potável, material de limpeza, de higiene pessoal e roupas de criança.
Corpo de Tarciano dos Reis Gama foi encontrado neste segunda. Jovem pulou no rio Muriaé, em Itaperuna
Reprodução redes sociais
Um jovem de 19 anos morreu na cidade ao pular no rio da Ponte de Ferro, na Avenida João Dias da Silva, no sábado (25). O corpo de Tarciano dos Reis Gama foi localizado no bairro Matadouro no início da tarde de segunda-feira (27). A cena, registrada em vídeo, chama atenção pelos riscos.
Porciúncula
Corpo do músico de Porciúncula, Anderson Titolei, foi encontrado no Centro da cidade
Reprodução redes sociais
Em Porciúncula a cheia do rio Carangola também deixou uma vítima. O corpo do músico, conhecido como Anderson Titolei, foi encontrado no sábado (25) em uma área inundada no Centro, próximo à rua Luís Fernando Linhares.
Áreas inundadas chegaram a 85% do território de Porciúncula
Ascom de Porciúncula/Divulgação
Nesta terça, o nível do rio está em 4 metros, abaixo da cota de transbordo, que é de 5,20 metros. São 183 pessoas desabrigadas e 4.500 desalojadas. O município decretou situação de emergência depois que 85% do território ficaram submersos. Bairros como o Centro, Operário, Ilha, João Braz, Nova Caeté, Nossa Senhora da Penha, Barra e Olívia Peres ficaram debaixo d’água.
Após o abastecimento de água ser cortado pela Cedae, empresa que atende a cidade, o prefeito Leo Coutinho anunciou nesta segunda-feira (27) o restabelecimento do serviço durante uma transmissão ao vivo no Facebook.
O governador Wilson Witzel visitou a cidade na tarde de domingo (26) e anunciou a destinação de R$ 23 milhões para a reconstrução das áreas atingidas.
O município recebe doações, especialmente de colchões e água potável, através da Defesa Civil, que atende no Centro Cultural, na Av. José Tanus, no Centro.
Outros municípios
O rio Itabapoana ainda está acima da taxa de transbordo, com 3,35 metros. O objetivo é que a água continue a baixar, já que o rio transborda quando chega aos 2,10 metros. De acordo com a Defesa Civil de Bom Jesus do Itabapoana, 194 pessoas estão desabrigadas e 1.100 desalojadas.
O município também está com o decreto de situação de emergência e recebe doações de mantimentos e água potável na sede da Defesa Civil, no prédio do antigo Fórum ou na sede da Assistência Social, que fica na Avenida Olímpica.
Em Cardoso Moreira, que decretou situação de calamidade, e em Italva, o nível do rio Muriaé também ainda está acima do transbordo. Já em Laje do Muriaé, Santo Antônio de Pádua e em Natividade, o nível da água baixou e não causa mais inundações.

Fonte: G1 (Noroeste Fluminense)

Origem.