Home / Região dos Lagos / Pezão participa de hasteamento da bandeira em presídio de Niterói; vídeo

Pezão participa de hasteamento da bandeira em presídio de Niterói; vídeo

Pezão
perfilado no hasteamento da bandeira na Unidade Prisional
da PM, em
Niterói — Foto: Francisco de Assis/TV Globo

Governador
está preso há oito dias e precisa se perfilar diante do pavilhão às sextas.
O
governador Luiz
Fernando Pezão
, preso desde o dia 29 de novembro em quartel da Polícia
Militar em Niterói, Região Metropolitana do Rio, participou na manhã desta
sexta-feira (7) do hasteamento da bandeira no pátio da unidade. Atender à
cerimônia é uma das obrigações do político, pego
na Operação Boca de Lobo
.
Pezão estava
num grupo à parte, distante do mastro e do pelotão mais numeroso. Vestia o uniforme
da cadeia – camisa branca e short preto – e calçava sandálias.
A regra da
cadeia obriga os detentos a se perfilar diante do pavilhão todas as
sextas-feiras, às 8h e às 18h. Pezão está sozinho em
uma sala sem grades, mas monitorado por câmeras
, e cumpre todas as
regras aplicadas aos demais internos, como tomar sol diariamente e comer as
refeições servidas a todos.
A Operação
Boca de Lobo
De acordo com
as investigações, Pezão não só fez parte do esquema de corrupção de Sérgio
Cabral como também desenvolveu um mecanismo próprio de desvios quando seu
antecessor deixou o poder.
Pezão não
estava no pelotão perfilado diante do mastro; governador
ficou em
grupo à parte — Foto: Francisco de Assis/TV Globo
Os advogados de
defesas do governador, Flávio Mirza e Diogo Malan, afirmaram em nota que Pezão
respondeu a todas as perguntas e negou, “veementemente”, as
acusações.
Segundo o MPF,
há provas documentais do pagamento
em espécie a Pezão de quase R$ 40 milhões
, em valores de hoje, entre
2007 e 2015. De acordo com o MPF, o valor é incompatível com o patrimônio
declarado pelo emedebista à Receita Federal.
A Operação Boca
de Lobo decorreu de colaboração premiada homologada no Supremo Tribunal Federal
e de documentos apreendidos na residência de um dos investigados na Operação
Calicute. Além das prisões de Pezão e mais oito pessoas, o ministro Felix
Fischer também autorizou buscas e apreensões em endereços ligados a 11 pessoas
físicas e jurídicas.
Por Genílson Araújo, TV Globo

Fonte: Rio das Ostras Jornal

Origem.