Home / Região dos Lagos / Cunha arrola Temer e Lula como testemunhas no processo em que é réu junto com amigos do presidente

Cunha arrola Temer e Lula como testemunhas no processo em que é réu junto com amigos do presidente

O deputado
cassado Eduardo Cunha durante depoimento à
Justiça
Federal em Brasília — Foto: Reprodução, Justiça Federal
Ex-deputado,
preso na Lava Jato, também arrolou ministros do governo Michel Temer e
parlamentares no processo em que políticos do MDB e amigos do presidente
respondem por organização criminosa.
O ex-deputado
Eduardo Cunha, preso na Operação Lava Jato, arrolou o presidente Michel Temer e
o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como testemunhas de defesa na ação
penal em que é réu por formação de organização criminosa
.
O processo foi
instaurado em 2017, depois que o então procurador-geral da República,
Rodrigo Janot,
denunciou o presidente Michel Temer por organização criminosa
. Segundo
a PGR, um grupo de políticos do PMDB (atual MDB) se organizou para desviar
recursos da Petrobras e de outros órgãos do governo. No caso de Temer, a denúncia
foi barrada pela Câmara
 e teve o andamento suspenso. Mas, em
relação aos demais denunciados, não.
Nesse processo
também são réus amigos do presidente Michel Temer: João Batista Lima Filho,
ex-coronel da Polícia Militar de São Paulo; o advogado José Yunes, ex-assessor
de Temer; e o ex-deputado e ex-assessor da Presidência Rodrigo Rocha Loures.
Ao todo, a
defesa de Cunha arrolou 35 testemunhas. Além de Temer e Lula, Cunha também
listou políticos do MDB como o presidente do Senado, Eunício de Oliveira; o
senador Romero Jucá; Tadeu Fillipelli, ex-assessor especial de Temer; além de
políticos do PT (o ex-ministro Guido Mantega, o ex-deputado Cândido Vaccarezza
e o ex-presidente da Câmara Arlindo Chinaglia).
A lista de
testemunhas faz parte da resposta da defesa à acusação – é o momento do
processo em que os réus se pronunciam sobre as acusações contra eles.
O Ministério
Público Federal afirma que os réus participaram de um esquema de desvio de
dinheiro público e que existem “robustos elementos que apontam que eles
integraram uma organização criminosa”.
Por Camila Bomfim , TV Globo, Brasília

Fonte: Rio das Ostras Jornal

Origem.