Home / Região dos Lagos / Haddad diz que não será candidato em 2018

Haddad diz que não será candidato em 2018

© Foto:
Getty
BRASÍLIA – O
ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) afirmou nesta quinta-feira que
não concorrerá a nenhum cargo na eleição deste ano. Haddad foi convidado pelo
partido para ser candidato ao Senado, mas, diante da decisão do vereador
Eduardo Suplicy de disputar a vaga, garantiu que não entrará no páreo. A
montagem da chapa em São Paulo virou o mais novo impasse para o PT.
“Eu deixei
claríssimo ao PT que não disputaria com Suplicy”, disse Haddad ao Estado. “Não
faz sentido que sejam lançados dois nomes. Quando aconteceu de o mesmo partido
eleger dois senadores? Só em 1994, no Plano Real.”
Escolhido para
coordenar o programa de governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao
Palácio do Planalto, Haddad negou, porém, que sua amizade com Suplicy tenha
sido abalada pelo episódio. Nos bastidores do PT há comentários de um mal-estar
entre os dois por causa da campanha pelo Senado.
“Qual
mal-estar? Se há mal-estar, não é comigo”, desconversou Haddad. “Eu estou muito
confortável como coordenador do programa de governo do Lula.”
Haddad vira e
mexe é citado como “Plano B” do PT para a Presidência, caso Lula seja condenado
pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região, no próximo dia 24, e não possa
concorrer. O ex-prefeito, no entanto, sofre resistências no próprio partido
para ocupar essa vaga. Se o PT tiver de substituir Lula na última hora, após
esgotar todos os recursos judiciais, o mais cotado para o posto é o
ex-governador da Bahia Jaques Wagner, hoje secretário estadual.
Diante do
imbróglio na composição da chapa para o Senado, uma ala do PT tenta convencer
Haddad a disputar uma cadeira na Câmara dos Deputados, mas ele não quer. Lula e
a cúpula do PT paulista, por sua vez, avaliam que Suplicy deveria ceder espaço
para o ex-prefeito e concorrer a deputado federal, atuando como puxador de
votos para a bancada. Na eleição de 2016, ele foi o vereador mais votado.
Enquete. Ex-secretário
de Direitos Humanos na gestão de Haddad, Suplicy contou que está fazendo uma
enquete com a população para saber qual campanha deve fazer neste ano.
 “Eu também pergunto se devo ficar até o fim do mandato como vereador”,
disse ele. “Muitos preferem que eu seja candidato a governador, mas o pedido
mais frequente é para que eu tente ser novamente senador, cargo que exerci
durante 24 anos.”
Até agora, o
pré-candidato do PT ao governo de São Paulo é Luiz Marinho, presidente estadual
do partido. O Estado apurou que Haddad — derrotado por João Doria (PSDB) na
campanha de 2016 à Prefeitura — gostaria de entrar na briga pelo Palácio dos
Bandeirantes, mas Lula acertou a indicação de Marinho. 
“Se o partido e
o próprio Marinho avaliarem que é conveniente ter uma prévia entre todos nós
para definir o candidato ao governo, eu aceito disputar”, afirmou Suplicy.
O petista negou
atritos com Haddad sobre a vaga ao Senado. “Tenho muito respeito e consideração
pelo Fernando Haddad, meu amigo há 30 anos. Ele pode contar comigo para o que
quiser”, insistiu. 
Suplicy
lembrou, porém, que, recentemente, Haddad se irritou com uma de suas enquetes
sobre o destino político. “Houve um ato pró-Lula em Piracicaba e, no fim, eu
perguntei à plateia: ‘Quem sabe vocês possam me dizer o que eu devo ser?’ ”,
contou o vereador. “Todos responderam que eu deveria ser senador. Foi uma
ovação.”
Presente ao
ato, Haddad não escondeu a contrariedade. “Ele conversou comigo e falou que não
era o melhor momento para eu fazer aquela pergunta”, lembrou Suplicy. A
história foi confirmada pelo ex-prefeito. “Achei mesmo inadequado porque ele
puxou o foco para uma coisa que já está resolvida. Já disse que não disputo com
Suplicy. Mas o Suplicy é assim. Tem o jeito dele”, amenizou Haddad.

Fonte: Rio das Ostras Jornal

Origem.