Home / Noroeste Fluminense / “Carta de uma mãe para a médica de Plantão” em Santo Antonio de Pádua – RJ

“Carta de uma mãe para a médica de Plantão” em Santo Antonio de Pádua – RJ

Impossível não se emocionar com esse relato: pela indiferença médica, nos dias de hoje em Santo Antônio de Pádua se torna uma normalidade que não deveria existir na profissão de um medico.Pois ao se formar ele faz através do Juramento de Hipócrates, cuidar da saúde de seus pacientes.
                        
“Eu, solenemente, juro consagrar minha vida a serviço da Humanidade. Darei como reconhecimento a meus mestres, meu respeito e minha gratidão. Praticarei a minha profissão com consciência e dignidade. A saúde dos meus pacientes será a minha primeira preocupação. Respeitarei os segredos a mim confiados. Manterei, a todo custo, no máximo possível, a honra e a tradição da profissão médica. Meus colegas serão meus irmãos. Não permitirei que concepções religiosas, nacionais, raciais, partidárias ou sociais intervenham entre meu dever e meus pacientes. Manterei o mais alto respeito pela vida humana, desde sua concepção. Mesmo sob ameaça, não usarei meu conhecimento médico em princípios contrários às leis da natureza.
Faço estas promessas, solene e livremente, pela minha própria honra.”
Essa carta representa todas aos mães que sofrem com esses descasos medico que assola não só em Pádua mas em todo Brasil. Não tem como não se emocionar………..
                                
✍️Carta de uma mãe para a médica de Plantão
Para quem não me segue no Instagram, esta foi uma maneira de desabafar no dia que Helena internou. ESSE TEXTO EU FIZ NA SEGUNDA NO DIA QUE ELA INTERNOU. ELA TEVE ALTA NA QUINTA. GRAÇAS A DEUS ESTÁ EM CASA
Prazer me chamo Talita, sou mãe da Helena. Ela tem 6 anos. Portadora da Síndrome de Goldenhar. Tem um histórico de 178 dias de internação em uma UTI. Usa gastronomia, já fez um cateterismo, tem alterações neurológicas sérias , com crises convulsivas. Já fez uma correção de refluxo vesico ureteral. Tem comprometimento motor, faz reabilitação a 6 anos. 
Este é um pequeno resumo do que já vivi com minha filha. 
Devido este longo 6 anos, aprendi a identificar o choro. Sei quando é de pirraça, sei quando é intestino preso. Identifico infecção de urina pelo cheiro,pois é o primeiro sinal. Aprendi a trocar o Botom. Se ele entope eu não levo no hospital, consigo resolver em casa mesmo. Conheço muito minha menina e por isso hoje foi preciso eu procurar ajuda, pois os sintomas foram totalmente desconhecido. Primeiro pedi ajuda ao pediatra que prontamente me ajudou por telefone. Mas Helena piorou e eu precisei da sua ajuda. 
E o que eu tive foi um tratamento totalmente indiferente. Minha filha em uma maca chorando e você, falando no celular. Depois do meu choro desesperado você se levantou e praticamente não a examinou. Uma criança com um quadro totalmente de risco. Orientou internar. Ok! Quando chegamos no quarto a enfermeira que gentilmente foi fazendo os procedimentos viu que Helena estava com a saturação baixa e o batimento cardíaco também alterado. 
Graças a Deus o pediatra assumiu o caso. Liguei pra ele novamente que já foi avaliando a medicação e os procedimentos, e assim que acabou o consultório veio avaliar a Helena junto com o cardiologista. 
Queria te dizer somente uma coisa: nós “pacientes” precisamos de você! Você tem a vocação e o dom de cuidar de nós! Então por favor, quando um paciente chegar pra ser socorrido por você, tenha mais cuidado, zelo, atenção, pois é uma vida! Falando da Helena, uma vida que já lutou muito e que não mereceria ser socorrida com tanta indiferença! Se você não tem habilidade com criança, peça ajuda! A humildade pode salvar vida!
Chorando faço este desabafo, pois não desejo pra Mãe nenhuma passar o que eu passei. “
A diferença entre ter fé e ter atitude,
está nas mãos de quem sabe usar as duas coisas.
E você Thalita Cosendey tem as duas coisas Fé e Atitude,Deus é contigo.
Márcia 

Mendes

Fotos: Facebook de Thalita 

Fonte: Sem Limites Jornal Inovador

Origem.